Câmbio Blue na Argentina, Câmbio Oficial e Câmbio Tarjeta: Entenda!

Quem vai para o país de nossos hermanos atualmente às vezes acaba se confundindo com o as questões de dinheiro do Câmbio Blue na Argentina, assim como a diferença para o Câmbio oficial e o Câmbio Tarjeta.

Se você quer esclarecer dúvidas quanto isso, continue a leitura porque você está no post certo, além de te dar alguns exemplos e dicas extras em relação ao uso da moeda no país desde as novas mudanças no final de 2023.

Mesmo eu que moro na Argentina há alguns anos e trabalho com turismo através dos roteiros personalizados e Viagens Sob Medida para esta região preciso acompanhar e entender o que mais funciona.

Mas, não é um bicho de 7 cabeças, e agora vai ficar fácil de entender, inclusive para você se planejar sobre como usar seus recursos no país (cartão, espécie, etc).

Moeda Oficial

Não custa lembrar que a Moeda oficial da Argentina é o Peso Argentino. Ela é desvalorizada comparada ao Real brasileiro, e ainda mais desvalorizado comparado a outras moedas mais fortes como o dólar americano. E no final de 2023 a moeda foi desvalorizada em mais de 50%, o que mudou todo o cenário econômico, em especial para nós turistas.

Já fazia um bom tempo que era vantajoso viajar ao país para turismo considerando o câmbio, mas mesmo com as recentes mudanças, os gastos ainda ficam mais em conta de forma geral – inclusive comparados a outros destinos internacionais, mas é claro que é necessário entender e planejar seus gastos usando as melhores opções para se beneficiar de fato disso.

Os tipos de câmbio existentes

Como está no título do post, existem na prática 3 tipos de câmbio na Argentina, e são eles:

Câmbio Oficial: Sem mistérios, é o câmbio que se faz com qualquer moeda estrangeira pelos canais oficiais do governo, que não facilita muito a vida dos argentinos, já que ele limita a compra de moeda para ter certo controle das transações no país e não desvalorizar ainda mais a sua moeda .

Câmbio Blue: Este é o câmbio paralelo, e realizado fora dos canais oficiais – feitos em lugares chamados de cuevas, que era mais vantajoso e sem incidência de taxas e impostos.

Isso porque, na prática, boa parte do público também recorria a este câmbio por existirem os limites em relação ao câmbio oficial. Este câmbio “por fora” foi batizado de câmbio blue.

E sim, na prática não é realmente legalizado, porém, era bem comum até o presidente Javier Milei ser eleito no país e desvalorizar o peso, e por isso já diminuiu consideravelmente o número de cuevas.

Existe uma repressão do governo, que pretende eliminar de vez o câmbio blue e muitas pessoas que ainda o fazem trabalham de uma forma bem mais discreta, como dentro dos hotéis e estabelecimentos, transfers e locais fechados. Quando estivemos em Mendoza por exemplo praticamente não vimos mais o câmbio blue.

Trocar moeda em um canal não oficial pode parecer um incômodo grande e inseguro. Porém, para os brasileiros e demais estrangeiros, a Western Union é uma intermediária financeira que, por intermediar valores de moedas internacionais, é uma alternativa legalizada.

Ainda é um canal seguro: Você envia dinheiro para Argentina através de PIX (que vejo como a grande vantagem) e saca em uma das lojas deles no país. Já não é tão vantajoso porque ainda existe uma taxa, mas ainda se torna uma opção interessante caso queira ter dinheiro em espécie ao invés de cartão (ainda falarei mais dele também).

É possível trocar moeda em vários locais do país com a Western Union, mas em cidades como Buenos Aires, em áreas turísticas, pode saber que o movimento é grande, e pode ter filas até grandes. Outras cidades pequenas e na alta temporada (como em Bariloche) pode também ter filas, assim como falta de dinheiro – é bom já saber e se planejar.

Para saber a cotação do câmbio Blue na Argentina, o site CUEX é a opção confiável, e é possível analisar para o dólar e para o real. É claro que pode dar uma diferença na hora da troca em uma cueva por mostrar a maior cotação do dia, mas é uma boa referência.

Câmbio Tarjeta: Esse câmbio foi pensado para os turistas, criado justamente para que o governo volte a ter um controle de câmbio maior, pois todas as transações de cartões passam por conhecimento do governo e do Banco Central, diferente do câmbio blue que é feito fora do conhecimento do governo.

O câmbio tarjeta é aplicado apenas para quem usa um cartão de débito ou crédito internacional com uma cotação mais vantajosa que a oficial para quem está de passagem pela Argentina. Assim, a medida criada ajuda no controle econômico, assim como para estimular ainda mais o turismo no país.

É uma medida legalizada, e tantos os cartões tradicionais quanto das contas internacionais (Nomad, Wise, C6 Global, BS2 Go) podem ser utilizados.

Apenas dois pontos: todos os cartões usam o câmbio tarjeta, mas o Revolut tem feito pelo câmbio oficial a conversão, então não vale a pena usá-lo.

Já no caso da Wise, tem tido uma incompatibilidade com máquinas payway, que são muito usadas na Argentina, e se você vai em um estabelecimento que usa essas máquinhas ele pode não passar, e o operador tem que digitar manualmente os dados do cartão – o que pode ser um incômodo ou até não ser feito.

Nota de peso argentino

O que vale mais a pena: Câmbio Tarjeta ou Câmbio Blue na Argentina?

Considerando o pronunciamento feito pelo Presidente Argentino em Março de 2024, que foi colocado que a tendência é que o câmbio blue seja equiparado ao oficial, já não acho mais vantajoso usar o câmbio blue na Argentina, e neste caso, câmbio tarjeta vejo como a melhor alternativa pelos seguintes motivos:

> Traz mais segurança ao turista, que não precisa andar com um grande volume de notas no bolso e nem se submeter aos riscos que já comentei do câmbio blue;

> A diferença no valor final será o IOF, e usando cartões de contas internacionais fica ainda mais interessante, já que o IOF é reduzido nesta modalidade;

> Quem paga no cartão também tem uma grande vantagem em relação a isenção de outro imposto, o IVA, que é isentado de turistas estrangeiros, que dá um desconto de 21%. Lembrando que, sobre o valor da hospedagem ainda incidem as taxas do cartão e de cada IOF. Você precisa verificar junto ao seu cartão quanto de adicional será cobrado para pagamentos no exterior.

Dicas extras sobre dinheiro na Argentina

Além de explicar as questões do câmbio, finalizo com algumas dicas e boas práticas para você usar seu dinheiro na Argentina:

> Não troque dinheiro no Brasil porque a cotação sempre é pior. Recomendo que, para moeda física, faça o câmbio (que neste caso ainda é o blue) assim que chegar na cidade – tenho parceiros de confiança que posso indicar neste caso.

Você pode trazer reais ou dólares em espécie para fazer o câmbio. Realize o câmbio blue com pessoas de confiança e não com pessoas desconhecidas, pois existe uma enorme circulação de notas falsas.

> Realize junto ao seu banco o aviso viagem para os seus cartões para usufruir do câmbio tarjeta sem problemas. Além disso, verifique como o seu cartão converte os valores. No caso do VISA por exemplo é de imediato, mas o Mastercard faz uma cobrança inicial no câmbio oficial, e posteriormente entre 2-5 dias é feito um estorno da diferença do câmbio tarjeta.

> Mesmo que opte por somente usar o câmbio tarjeta, tenha alguma quantia de dinheiro em espécie porque pode ainda acontecer de alguns locais não aceitarem determinados cartões ou apenas o dinheiro. Na capital é mais raro (mas não impossível), e nas cidades menores pode acontecer também.

> Tem sido vantajoso reservar hotéis previamente no Brasil e realizar o pagamento em real, com parcelamento, algo que pode não ser uma possibilidade na hora na Argentina.

Caso você não consiga realizar uma reserva com antecedência de um hotel desejado pela disponibilidade futura ainda não estar aberta (em sites como o Booking e do próprio hotel), se você realizar a reserva via operadora/agência de viagens geralmente é possível com uma prévia maior, e mesmo assim você não deixa de obter o desconto do IVA, que neste caso não fica apenas vinculado ao cartão.

Aliás as estadias acabaram subindo um pouco com a desvalorização do peso argentino, o que faz do parcelamento uma boa pedida. Em relação a este e outros gastos, como para restaurantes e comércio também houve um aumento, mas ainda assim é mais em conta a viagem do que em outros destinos internacionais e mesmo do que em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

Em resumo, entre o câmbio oficial, o câmbio tarjeta e o câmbio blue na Argentina, o mais interessante é usar o câmbio tarjeta como principal com cartão internacional de IOF reduzido (se tiver mais de um cartão até melhor), mas por segurança e necessidade de locais que não trabalham com cartão, é bom ter alguma quantia em espécie, que ainda pode ser trocada com um contato seguro de câmbio blue.

Espero que tenha sido esclarecedor, mas também estou a disposição para esclarecer mais dúvidas no meu Instagram, e claro, posso dar muito mais detalhes para quem decidir realizar uma Viagem Sob Medida na Argentina comigo. Acima de tudo, o fato é que dá pra fazer uma excelente viagem com a conversão ao seu favor!

COMPARTILHE:
Facebook
LinkedIn

Um comentário sobre “Câmbio Blue na Argentina, Câmbio Oficial e Câmbio Tarjeta: Entenda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Insrcreva-se e fique por dentro de todas as novidades